SIMONE ZUCATO Art in Multiple Languages

Updated: Dec 7, 2021


ABOUT SIMONE ZUCATO


Born in São Paulo, Simone Zucato has chosen the arts ever since. Throughout life, she has always dedicated herself to her acting career, even attending medical school because of her father’s wish. After Simone finished Medical School, she attended renowned acting schools in Brazil, such as Teatro Escola Macunaíma, Escola de Atores Wolf Maya and Theater at FAAP in São Paulo. She later moved to Rio de Janeiro, where she attended other renowned theater schools such as CAL, O Tablado and there she was invited by Barbara Heliodora, one of Brazil’s greatest critics and experts in Shakespeare’s work, to be part of her studying group. After that, Simone attended classes in HB Studio in NY, and had classes with also renowned acting coaches such as Susan Batson, Robert Castle from Lee Strasberg Film Institute in NY, Michelle Danner, Nancy Bishop and Jandiz Estrada. But she did not stop. Whenever she can, she continues taking acting, singing and dancing classes to improve her craft.


“Art is a continuous apprenticeship . My debut in professional theater was with the play “De Corpo Presente”, written and directed by Marcia Carvallio in 2007, in São Paulo. “I played Lilia, the youngest daughter of an artists’ couple, who was homoaffective. It was something very thrilling and important for me because finally not only my dream of making art was coming true but I also started giving voice to essential and crucial issues. And I believe that as an artist, that is my role”, she says.



Simone Zucato debuted on TV in “Casos e Acasos”, on Rede Globo, in 2008. The actress was discovered by a director who watched her on stage in “De Corpo Presente” and since then new opportunities have arisen and she gained prominence and notoriety for works such as: Izzy Corbett in “A Toca do Coelho” - Rabbit Hole, Vera in “Trair e Coçar É Só Começar” , Sylvia in “Sylvia” , Liliane in “O Sétimo Guardião” and Mãe in “O Livro de Tatiana” .


She is passionate about theater, and she has gained quite a good experience over the years as a producer of international plays, which she acquires the legal rights for the Brazilian production.


“It was Barbara Heliodora who taught me I should produce myself in theater. From there on I started looking for play scripts that I could produce with myself in the cast. After searching for one here in Brazil and not finding any available with a character that would fit my profile, I decided to start looking abroad. I watched Rabbit Hole on Broadway and I fell in love with it. I acquired the legal rights, which was not easy at that time for me, because the play had just won the Tony prize for best actress and also the Pulitzer Prize as best drama play. It is not something easy to be done, in my opinion. Because producing theater in Brazil does not only depend on who is producing it. Sometimes you have the legal rights for an amount of time and it takes three times more to start the production, for instance. Sometimes you don’t even know if you will be able to produce it or not. That has happened to me a few times. I bought the legal rights but was not able to produce it because I could not get sponsorship in order to do it. And that happens because in Brazil sponsors are more interested in comedies and musical plays than drama plays and also because usually the ones who decide who the sponsorship goes to are greatly linked with huge television names. So, if you work mostly in theater and are not a TV star, you most likely will not get a sponsorship for your play and it is very difficult to do it by yourself. When I started rehearsing Rabbit Hole, great Brazilian actors were in the cast with me, but the sponsors kept saying it was a drama play that spoke about serious issues that they did not want to sponsor and because of that I ended up giving my apartment as a guarantee to star the play. When it starred, it was so huge that sponsors started getting interested in sponsoring it and that allowed me to be on stages throughout 18 Brazilian cities for two years. But with the tickets prices in Brazil it was not possible to maintain it for a longer time. I invest my own personal money in the productions I make but that is not always possible because in plays like these you have a high cost and ticket selling is not enough to pay for your costs, unfortunately. Nowadays I still find many difficulties in a theater production, but I am very hopeful that it will get better with time.”


Simone has gained popularity when she was invited to be in “O Sétimo Guardião”, a Rede Globo’s soap opera, written by Emmy award winner Aguinaldo Silva and directed by also Emmy award winner, Rogério Gomes. Two days after being invited to be part of the cast, Simone was diagnosed with breast cancer and before the production started the actress underwent treatment and overcame the disease. She now plans to build and international career, which will give her chances to exercise different characters in different acting languages.


Check out a little more about actress Simone Zucato’s trajectory in an exclusive interview for Fashion Magazine NY.


EXCLUSIVE INTERVIEW


1-Do you continue to exercise yourself as an actress in this still pandemic period?

SIMONE - Yes always! An actor's exercise shall be constant. Despite having followed the quarantine very strictly, I took singing and dancing classes on-line and I also took advantage of this period exercising myself in different characters with acting coaches. I put the series, movies and books that were late, up to date. I reviewed and reread some movies and books. And I also did things that I think that contribute a lot to an actor's work: I watched very carefully what was happening, I started to learn two languages ​​that I still don't speak fluently, I learned to meditate more consciously, I developed skills that I did not have or that I practiced very little before the pandemics, and I also learned how to produce content from inside my home.



2-How was the change from medicine to the stages?

SIMONE - First of all, I can say it was something very smooth. Natural. I have been in acting since I was a child. I started with drama classes in Elementary School and that has been my true passion since then. I never thought of being something else than an actor in my life. When I went to medical school, I thought "Oh my God, how did I get here?". My father wanted to have a daughter who was a doctor, and I always wanted to please him. In the beginning, in order to pay for my studies as an actress, I worked a lot as a Medical doctor. As I started working more as an actress, I kept shortening my hours as a doctor until one day I was diagnosed with breast cancer. It was then that I saw that life is too fast for us to do what we don't love to do. But for some reason life made me the actress who had to become a doctor, too. And I'm proud of it. I am proud of my education and am extremely grateful for the education my parents gave me with great sacrifice. And, on the other way around, medicine has given me the opportunity to graduate as an actress and to produce theater plays - which was never easy. And not only that! Medicine has taught me a lot as a human being! I was always a very careful and very responsible doctor, even because you cannot practice medicine in any other way; but I chose to be a geriatrician and chose to work with the needy population and this brought me a lot of suffering because I experienced people's suffering daily and I couldn't put my head on the pillow at night and not think about the people who barely had anything to eat and didn't have a financial condition to make the proper treatment for what they had. Being a doctor in Brazil requires more than love for the profession. It requires a very practical look and I believe even a cold look to be able to move forward without suffering. As an actress, these situations hurt me a lot. It's sad because it's the reality of our country, but I prefer to help change this reality through art and today I understand that I will always be the actress and I will always be the doctor. My patients would come to watch me in the plays I was doing and I was so happy I could give this to them. I just decided to pause being “Doctor Simone” because being on stage or being in a studio is what really makes me happy.



3- You speak fluent English and Spanish, do you intend to invest in your career outside Brazil?

SIMONE - Yes, I do. I was brought up by a Mexican-American family during my childhood and adolescence. People who know me well say I speak English and Spanish better than Portuguese. Without mentioning that I have been seeing acting expanding a lot in the past few years. With the growth of streaming services, the increase in productions, the possibility of auditioning from home, by a cell phone, through self tapes, I believe that the chances of being able to work in other countries have also increased. The pandemic slowed this down due to everybody’s safety, but productions are slowly being resumed and are starting to happen again. If this virus is definitely controlled, I believe this scenario will only grow and get better and better. But right now I believe we still have to be very careful with prevention measures. Of course, many factors are involved in choosing a cast from outside of a country, but over the years I have watched this exchange of actors become more and more common and I believe this movement will only increase. I would love spend sometime working abroad because acting is different in each country and that is a huge exercise for an actor.



4- You have always been an entrepreneur in the arts, have always produced plays, how do you see the future of this market?

SIMONE - My experience as a theater producer in Brazil unfortunately has made me see that Brazilians go to the theater very rarely. It's not just a cultural issue. It's much more complex than that. It is an educational issue added to a social economic issue. Many people don't go to the theater because they can barely pay their bills. And even knowing that there are strategies to give these people greater access to the theater, even offering free tickets to the low-income population, we often come across a lack of use of this quota of tickets, not because of a lack of interest, but most probably because of a lack of time, or due to a lack of energy of those who have to work a lot and don't feel like going out after a week of hard work, and so on… I would really like this scenario to change and I would love to see people coming more often to the theater, as they used to do a few years ago, but I think this will only improve when this social economic and educational scenario changes in our country. I'm not talking about one government or another. I am saying that the quality of life of a people interferes directly in the choice of how they should spend their free time. At the same time, I think that projects with a larger cast, with a larger structure, need the help of Brazilian’s incentive laws that allow artists to have sponsors in order to be able to be carried out, and currently our country is going through a phase that does not allow us to make larger projects viable. Not to mention that, with the pandemic, theaters also suffered a lot. Little by little, we are seeing the plays come back and I hope that people will return to the theater as well, but I confess that despite having my projects and fighting for them, I'm quite discouraged with the scenario we have.


5- Which characters do you dream of playing and which directors would you like to work with?

SIMONE - Wow! There are so many! Just like I believe most actors do, I like playing challenging characters. Everything that is unusual for me is challenging. These are the characters I like - the most! - to play because they not only take me out of my comfort zone but also teach me a lot. I could say I would love playing a serial killer, a super hero or an abused wife, but there are so many roles I still want to play in my life that it is impossible to mention just one or another. And I would love to work with a lot of directors that I haven't worked with yet, but especially with those who understand that an actor's work can be really shocking to the audience, that a director’s and actor’s work can really cause an impact and those who can extract the best of the character out of an actor. That is the role of art! To impact, to make people think, to make changes happen. I could say that my greatest dream is to be directed by Martin Scorsese, Patty Jenkins, Sofia Coppola, Steven Spielberg, Clint Eastwood, Woody Allen or Chloé Zhao, but hey! Who wouldn’t dream of that?


6- With the growth of streaming and the decrease in TV productions, what have you been doing to adapt to this new reality?

SIMONE - Look, I believe that streaming still has a lot to grow but I also believe that certain content produced by television will never be surpassed by streaming. Like Brazilian soap operas. There are two different profiles and I think we will have many options ahead. That's why I try to adapt by studying and improving my craft as much as possible, so as an actor I can adjust myself to both profiles.


7- What are your projects for 2022?

SIMONE - If the pandemics really gives the world a break, I would like to start spending more time outside of Brazil and start working abroad. I also have some theater projects that are still ongoing but that I hope to debut next year in Brazil, and I'm also working on two scripts I'm writing and on a pilot for a series that I intend to produce. And since I believe that we are responsible for helping people become more aware of important issues, such as the awareness of breast cancer for instance, I would also like to be more involved in environmental and immigration causes. Other than that, I have many projects to continue learning and improving myself as an actress and as a person.




CREDITS :

MODEL & ACTRESS : Simone Zucato @simonezucato

PHOTOGRAPHER : Pino Gomes @pinogomes

HMUA : Pino Gomes @pinogomes

STYLING & PROMOTER : Márcia Dornelles Comunicação @marciadornellescomunicacao

LOOKS : Honória 1930 @honoriaoficial



VERSÃO EM PORTUGUÊS

Simone Zucato

A arte em vários idiomas


A paulistana Simone Zucato, escolheu as artes desde sempre. Ao longo de toda sua vida sempre se dedicou à carreira de atriz, mesmo tendo estudado medicina a pedido de seu pai. Quando Simone terminou a faculdade de medicina, ela cursou o Teatro Escola Macunaíma, a Escola Wolf Maya ,o Curso de Teatro na FAAP em São Paulo. Logo em seguida veio morar no Rio de Janeiro, onde estudou na CAL, no Tablado e participou de um grupo de estudos de Bárbara Heliodora, conceituada crítica teatral. Na sequência fez cursos no HB Studio, em NY, teve aulas com coaches renomados como Susan Batson, Robert Castle no Lee Strasberg Film Institute de NY, Michelle Danner, Nancy Bishop e Jandiz Estrada. Mas a atriz não parou por aí. Sempre que pode ela continua tendo aulas de atuação, de canto e de dança para se aperfeiçoar na carreira.


“ A ARTE É UM APRENDIZADO CONTINUO. Minha estreia profissional no palco foi com a peça: “De Corpo Presente”, com texto e direção de Mara Carvallio em 2007, em São Paulo. “Eu interpretava Lilia, a filha caçula de um casal de artistas que era homoafetiva. Foi algo muito emocionante e importante para mim, pois além de finalmente meu sonho em fazer arte estar se realizando, eu também estava dando voz a questões essenciais que são necessárias e importantes até os dias de hoje. E eu acredito que como artista, esse é o meu papel.”, diz a atriz.


Simone Zucato estreou na TV em “Casos e Acasos” , na Rede Globo, em 2008. A atriz foi descoberta por um diretor que a assistiu em “De Corpo Presente” e de lá para cá outras oportunidades surgiram onde a atriz ganhou destaque e notoriedade por trabalhos, tais como: Isa Corbett em “A Toca do Coelho” , Vera em “Trair e Coçar É Só começar” , Sylvia em “Sylvia” , Liliane em “O Sétimo Guardião” e a Mãe em “O Livro de Tatiana”.


A atriz é apaixonada por teatro, e possui experiência como produtora de peças internacionais, as quais adquire os direitos autorais de montagem no Brasil.


“A Bárbara Heliodora foi quem me ensinou que eu deveria me auto-produzir no teatro. A partir dali eu comecei a procurar textos de teatro que eu pudesse produzir e também pudesse estar no elenco. Depois de muito procurar aqui no Brasil e não ter nenhum texto disponível com um personagem para mim, resolvi trazer um texto de fora. Assisti Rabbit Hole na Broadway e me apaixonei pelo texto. Comprei os direitos autorais com muito sacrifício, pois a peça havia acabado de ganhar o prêmio Tony na categoria de melhor atriz e o prêmio Pulitzer de melhor drama. Não é uma coisa fácil de se fazer, na minha opinião. Porque produzir teatro no Brasil não depende só de quem o produz. Às vezes, você tem os direitos autorais por um período de tempo e leva três vezes mais para iniciar a produção, por exemplo. Às vezes você nem sabe se vai conseguir produzir aquela peça ou não. Isso já aconteceu comigo algumas vezes. Adquiri os direitos autorais, mas não consegui produzir as peças porque não consegui o patrocínio para fazê-lo. E isso acontece porque no Brasil os patrocinadores se interessam mais por comédias e musicais do que por peças do gênero drama e também porque geralmente quem decide para quem vai o patrocínio está fortemente vinculado a idéia de que é necessário se ter grandes nomes da televisão. Portanto, se você trabalha principalmente no teatro e não é uma estrela de TV, provavelmente não obterá patrocínio para a sua peça e é muito difícil fazê-la sozinho, com uma reserva pessoal. Quando comecei a ensaiar A Toca do Coelho, grandes atores brasileiros estavam no elenco comigo, mas os patrocinadores falavam que era um drama que falava de questões sérias que eles não queriam patrocinar e por isso acabei dando meu apartamento como uma garantia para estrear a peça. Quando estreou, foi tão grande o sucesso que os patrocinadores começaram a se interessar em patrocinar e isso me permitiu estar em palcos em 18 cidades brasileiras por dois anos. Mas com os preços dos ingressos no Brasil não foi possível mantê-la por mais tempo. Eu uso meus próprios recursos pessoais nas produções que faço mas nem sempre é possível porque em peças como essas você tem um custo alto e a venda de ingressos não dá para pagar os seus custos, infelizmente. Hoje em dia ainda encontro muitas dificuldades na produção teatral, mas tenho muita esperança de que melhore com o tempo ”.


Simone ganhou popularidade ao ser convidada para participar de “O Sétimo Guardião”, novela da Rede Globo, escrita pelo ganhador do Emmy Aguinaldo Silva e dirigida pelo também ganhador do prêmio Emmy, Rogério Gomes. Dois dias após ser convidada para fazer parte do elenco, Simone foi diagnosticada com câncer de mama e antes de começar as gravações a atriz foi submetida ao tratamento e superou a doença. A atriz agora planeja construir uma carreira internacional, o que lhe dará a chance de exercitar diferentes personagens em diferentes linguagens de dramaturgia.


Confiram um pouco mais da trajetória da atriz Simone Zucato na entrevista exclusiva para a Fashion Magazine NY.

ENTREVISTA EXCLUSIVA

1-Você continua a se exercitar como atriz neste período ainda pandêmico?

SIMONE - Sim, sempre! O exercício do ator é constante. Apesar de ter seguido rigorosamente a quarentena, eu mantive aulas de canto e de dança on-line e aproveitei para me exercitar com diferentes personagens com coaches de atuação. Coloquei as séries, filmes e livros que estavam atrasados, em dia. Revi e reli alguns. E eu também fiz coisas que eu acho que colaboram muito para o trabalho do ator: observei muito cuidadosamente tudo o que estava acontecendo, comecei a aprender duas línguas que ainda não falo fluentemente, aprendi a meditar com mais consciência, desenvolvi habilidades que antes não tinha ou que não praticava tanto, e aprendi a produzir conteúdo de dentro de casa.



2-Como foi a mudança da medicina para os palcos?

SIMONE - Em primeiro lugar, eu posso dizer que foi muito tranquilo. Natural. Eu atuo desde a minha infância. Eu comecei com aulas de teatro no ensino primário, e essa é a minha paixão desde então. Eu nunca pensei em ser outra coisa que não uma atriz na minha vida. Quando eu fui para a faculdade de medicina, eu pensava “Meu Deus, como eu vim parar aqui?”. A vontade do meu pai em ter uma filha médica era muito grande, e eu sempre quis agradá-lo. No início, para poder pagar meus estudos como atriz, eu trabalhei muito como médica. Com o surgimento de trabalhos como atriz, eu fui diminuindo minhas horas como médica até que um dia eu fui diagnosticada com câncer de mama. Foi então que eu vi que a vida é muito rápida para fazermos aquilo que não amamos. Mas por algum motivo a vida me fez ser a atriz que teve que ser médica também. E eu me orgulho disso. Me orgulho da minha formação e sou extremamente grata á educação que meus pais me deram com muito sacrifício. E, por outro lado, a medicina permitiu que eu me formasse como atriz e que eu produzisse peças de teatro - o que nunca foi fácil. E não só isso! A medicina me ensinou muito como ser humano! Eu sempre fui uma médica muito cuidadosa e muito responsável, mesmo porque não se pode exercer a medicina de outra forma; mas eu escolhi ser geriatra e trabalhar com a população carente e isso me trazia muito sofrimento porque eu vivenciava diariamente o sofrimento das pessoas e eu não conseguia colocar a cabeça no travesseiro a noite e não pensar naquela pessoa que mal tinha o que comer e não tinha como fazer o tratamento adequado para o que ela tinha. Ser médica no Brasil requer mais do que amor á profissão. Requer um olhar muito prático e acredito que até frio para poder seguir adiante sem sofrer. Como atriz, essas situações me machucavam muito. É triste porque é a realidade do nosso país, mas eu prefiro ajudar a mudar essa realidade através da arte e hoje eu entendo que eu sempre serei a atriz e também sempre serei a médica. Meus pacientes iam me ver no teatro e como eu ficava feliz em poder proporcionar isso a eles. Eu apenas resolvi dar uma pausa na “Doutora Simone” porque estar num palco ou estar num estúdio é o que realmente me faz feliz.



3- Você fala fluentemente o inglês e espanhol, pretende investir na carreira fora do Brasil?

SIMONE - Pretendo, sim. Eu fui criada por uma família mexicano-americana durante minha infância e adolescência. As pessoas que me conhecem bem dizem que eu falo melhor o inglês e o espanhol do que o português. Sem falar que eu vejo o mercado de trabalho para o ator se expandindo muito nos últimos anos. Com o crescimento de serviços de streaming, o aumento das produções, a possibilidade de se fazer um teste de casa, pelo celular, eu acredito que as chances de poder trabalhar num outro país aumentaram também. A pandemia desacelerou um pouco isso por conta de uma questão de segurança para todos, mas as produções estão sendo retomadas aos poucos e estão voltando a acontecer. Se esse vírus for definitivamente controlado, acho que esse cenário só tende a melhorar e a crescer. Contudo, eu ainda acho que o momento pede para que sejamos cuidadosos em relação às medidas de prevenção. Claro que muitos fatores estão envolvidos na escolha de um elenco de fora de um país, mas com o passar dos anos eu tenho visto cada vez mais esse intercâmbio de atores e acredito que esse movimento só aumente. Eu adoraria passar um tempo trabalhando fora do país porque atuar é diferente em cada país e isso é um exercício e tanto para um ator.



4- Você sempre foi empreendedora nas artes, sempre produziu peças de teatro, como você vê o futuro deste mercado ?

SIMONE - Minha experiência como produtora infelizmente me fez ver que o brasileiro frequenta muito pouco o teatro. Não é apenas uma questão cultural. É muito mais complexo do que isso. É uma questão educacional somada a uma questão sócio-econômica. Muitas pessoas não vão ao teatro porque mal conseguem pagar suas contas. E mesmo sabendo que existem estratégias para dar um maior acesso dessas pessoas ao teatro, mesmo oferecendo ingressos gratuitos á população de baixa renda, muitas vezes nos deparamos com a falta de uso dessa cota de ingressos não por uma falta de interesse e sim pela falta de tempo, pela falta de energia de quem tem que trabalhar muito e não sente vontade de sair depois de uma semana de muito trabalho, e por aí vai… eu gostaria muito que esse cenário mudasse e que as pessoas voltassem a ir ao teatro como elas iam há alguns anos, mas eu acho que isso só vai melhorar quando esse cenário sócio-econômico e educacional mudarem no nosso país. Não estou falando de um governo ou outro, e sim que a qualidade de vida de um povo interfere diretamente na escolha de como ele deve passar seu tempo livre. Paralelamente a isso penso que projetos com um elenco maior, com uma estrutura maior, precisam da ajuda das leis de incentivo para poderem ser realizados, e atualmente o nosso país está passando por uma fase que não nos permite viabilizar projetos maiores. Sem falar que, com a pandemia, o teatro também sofreu muito. Aos poucos estamos vendo as peças voltarem e espero que o público volte a frequentar o teatro também, mas confesso que apesar de ter meus projetos e lutar por eles, estou bastante desanimada com o cenário que temos.



5- Que personagens Você sonha interpretar e com quais diretores você gostaria de trabalhar?

SIMONE - Nossa! Tantos! Eu como a maioria dos atores, eu creio, gosto de interpretar personagens desafiadores. Tudo aquilo que não me é usual, é desafiador. São esses os personagens que eu mais gosto de interpretar porque eles não só me tiram da minha zona de conforto como também me trazem muitos ensinamentos. Eu poderia dizer que eu adoraria interpretar um serial killer, uma heroína ou uma esposa que sofre abuso, mas a verdade é que eu ainda quero interpretar tantos personagens que é impossível dizer que eu quero interpretar apenas um ou outro. E eu adoraria trabalhar com vários diretores com quem ainda não trabalhei, mas principalmente com aqueles que entendem que o trabalho do ator pode ser realmente impactante para o público, aqueles que conseguem extrair o melhor do ator ara aquele determinado papel. Esse é o papel da arte! Impactar, fazer as pessoas refletirem. De causar mudanças. Eu poderia dizer que meu maior sonho seja ser dirigida por Martin Scorsese, Patty Jenkins, Sofia Coppola, Steven Spielberg, Clint Eastwood, Woody Allen ou Chloé Zhao, mas que ator que não sonha com isso?



6- Com o crescimento do streaming e diminuição das produções para TV o que você tem feito para se adequar a esta nova realidade?

SIMONE - Veja, eu acredito que o streaming ainda tem muito o que crescer mas também acredito que certos conteúdos produzidos para a TV nunca serão superados pelo streaming. Como as novelas brasileiras. São dois perfis diferentes e eu acho que teremos muitas opções pela frente. Por isso eu tento me adequar estudando e aperfeiçoando o meu ofício o máximo possível, para que - como atriz - eu possa me ajustar a ambos.


7- Quais são seus projetos para 2022?

SIMONE - Se a pandemia realmente der uma trégua ao mundo, eu gostaria de começar a passar mais tempo fora do Brasil e a começar a trabalhar fora. Também tenho alguns projetos de teatro que ainda estão em andamento mas,que espero estrear no próximo ano no Brasil, e também estou trabalhando em dois roteiros que estou escrevendo e no piloto de uma série que eu quero produzir. E como eu acredito que nós somos responsáveis por ajudar as pessoas a se tornarem mais conscientes em relação a certos assuntos, como a conscientização sobre o câncer de mama, eu também quero estar mais envolvida nas causas relacionadas ao meio ambiente e relacionadas à imigração. Fora isso tenho muitos projetos para continuar aprendendo e me aprimorando como atriz e pessoa.




CREDITOS :

MODELO & ATRIZ : Simone Zucato @simonezucato

FOTOGRAFO : Pino Gomes @pinogomes

BELEZA : Pino Gomes @pinogomes

STYLING & ASSESSORIA : Márcia Dornelles Comunicação @marciadornellescomunicacao

LOOKS : Honória 1930 @honoriaoficial

































hmua



Fotos e beleza -Pino Gomes

Styling e assessoria Márcia Dornelles Comunicação

Looks - Honória @honoriaoficial